Siga-nos nas Redes:

Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva

Enteroscopia por cápsula / OQUE É?

Guia de Procedimentos

A Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva (SOBED) esclarece quais são os procedimentos realizados em endoscopia digestiva. Confira!

Enteroscopia por cápsula

A enteroscopia por cápsula é feita pela ingestão de microcâmera semelhante a uma cápsula de vitaminas grande, que desce naturalmente pelo aparelho digestivo ao mesmo tempo em que fotografa suas paredes. As imagens são transmitidas a um gravador que fica num cinturão colocado no abdômen do paciente. Essas imagens serão depois analisadas pelo médico no monitor de vídeo de um computador.
A cápsula endoscópica é destinada ao exame do intestino delgado e não deve ser usada para o exame do esôfago, estômago, duodeno e cólon. A cápsula é um método que permite apenas ver o interior do intestino e não serve para realizar biópsias ou tratamentos, como a remoção de pólipos ou parar hemorragias.

Não remover o cinturão antes do término do exame. Evitar proximidade de campos magnéticos fortes. Enquanto a cápsula não for eliminada, o paciente não poderá ser submetido a exame de ressonância magnética.

O exame demora oito horas. Após esse tempo, o paciente remove o cinturão do abdômen e o devolve para o médico. A cápsula é descartável e eliminada naturalmente pelo movimento do intestino, o que acontece em até três dias após o exame.

Ainda não se sabe se a cápsula pode alterar o funcionamento de marca-passos ou desfibriladores cardíacos, e por isso seu uso não é recomendado nesses pacientes.

As complicações pelo uso da cápsula são raras - abaixo são descritos os problemas mais frequentes. É importante saber que nem todos são previsíveis.

Em casos raros, a cápsula não é eliminada normalmente e pode haver obstrução intestinal, com necessidade de cirurgia ou endoscopia para sua remoção. Pessoas com estreitamentos no intestino ou que já sofreram cirurgias abdominais têm maior risco de obstrução pela cápsula.

Raramente, partes do intestino delgado não são examinadas adequadamente, o que pode levar a um diagnóstico incorreto. Isso pode acontecer quando a cápsula demora mais tempo para descer, quando há resíduos no interior do intestino, quando há interferência de campos magnéticos no funcionamento da cápsula, quando o cinto é removido antes do tempo certo, ou por mau funcionamento da cápsula.

Pode haver aspiração da cápsula para as vias aéreas ou para o pulmão, causando dificuldade respiratória e pneumonia. Durante a deglutição, a cápsula também pode ficar presa na parte de trás da garganta. Nesses casos, é necessária a remoção da cápsula por um médico com equipamentos adequados. Esses problemas são mais prováveis de acontecer em pessoas com dificuldade para engolir.

Se após o exame o paciente tiver febre, dores ou distensão abdominal, dor no tórax, falta de ar ou dificuldade para engolir, ele deverá ir a um serviço de emergência ou procurar seu médico, para esclarecer se há alguma complicação.