Siga-nos nas Redes:

Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva

Sobed na mídia

TV Bandeirantes

04/03/2011 . Por sobed

Cápsula endoscópica ajuda médicos a explorarem o corpo humano


Uma cápsula endoscópica que carrega uma micro câmera tem sido usada por médicos para explorar o interior do corpo humano. As imagens registradas ajudam os especialistas a descobrirem doenças.

A pequena máquina fotográfica registra cerca de mil imagens em até 12 horas. As informações captadas por eletrodos são armazenas por um gravador.

O endoscopista Thiago Festa Sechhi diz que a cápsula não substitui a endoscopia e nem a colonoscopia. Endoscopia quer dizer olhar dentro. Mas, atualmente, os médicos fazem muito mais que olhar e usam o recurso para evitar ou auxiliar grandes cirurgias.

Dispositivo 


É com a endoscopia que os especialistas conseguem colocar uma espécie de forro dentro do intestino delgado. O dispositivo de 60 centímetros de comprimento é feito de material impermeável e impede a absorção dos alimentos.

Eficiente na briga contra a balança e o diabetes tipo dois, o equipamento ajudou o comerciante José Correa Garcia Junior a perder 54 quilos. Apesar dos bons resultados o equipamento, chamado Endobarrier, ainda não foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional De Vigilância Sanitária) e por isso está fora do mercado.

O gastroenterologista Eduardo Moura, do Hospital das Clínicas, explica que ainda não há data para a liberação da técnica, pois a Anvisa precisa de R$ 43 mil para mandar três técnicos aos Estados Unidos para vistoriar a fábrica e liberar o equipamento.

Cirurgias 

O governo paga R$ 1,020 bilhões para mais de 1,2 milhão de pessoas que perderam a capacidade de trabalhar por problemas de saúde. O valor, segundo os especialistas, poderia ser menor se, por exemplo, pessoas com risco de perder toda ou parte das pernas e braços tivessem um atendimento adequado nos serviços de saúde.

O micro cirurgião Rames Mattar Júnior diz que assistimos a um problema sério de saúde pública no atendimento desses casos no Brasil. "Não existe uma política adequada e, eu acho para organizar esse atendimento, formar mais profissionais, porque certamente muitas pessoas acabam sofrendo amputações, perdem membros, ficam internadas muito tempo, têm complicações infecciosas e têm que tomar remédios caríssimos por longo tempo porque no momento agudo do trauma, no momento emergencial não recebem atendimento ideal", explica.

No Instituto de Ortopedia do Hospital das Clínicas, uma equipe de 16 médicos está disponível 24 horas por dia. Eles são especializados em micro cirurgia. Na unidade, tão importante quanto os equipamentos é a habilidade que os médicos têm em por exemplo unir artérias tão finas quanto um fio de cabelo.

Fonte: Jornal da Band